quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Advodado Judeu

Uma instituição de caridade nunca tinha recebido doação do advogado mais rico da cidade, um judeu. O diretor da instituição decidiu ele mesmo ir falar com o advogado.
 - Nossos registros mostram que o senhor ganha mais de R$ 6.000.000,00 por ano e mesmo assim nunca fez uma pequena doação para nossa caridade. O senhor gostaria de contribuir agora?
 Jacó o advogado, respondeu:
 -A sua pesquisa apurou que minha mãe está muito doente e que as contas médicas são muito superiores à renda anual da aposentadoria dela?
 - Ah, não, murmurou o diretor.
 - Ou que meu irmão mais novo é cego e desempregado?
 Continuou o advogado.
 O diretor nem se atreveu a abrir a boca.
 - Ou que o marido da minha irmã morreu num acidente e a deixou sem um tostão e com cinco filhos menores para criar, sendo que um deles tem Down? Falou o advogado judeu, já com ar de indignação. O diretor se sentindo envergonhado balbuciou:
 - Eu não tinha a menor ideia de tudo isso…
 E continuou o advogado judeu:
 - E a sua pesquisa, apurou que meu pai é diabético, cardiopata e que está na cadeira de rodas há mais de dez anos?
 -Não senhor…
 -E foi, por acaso, verificado que eu tenho dois sobrinhos surdo-mudos?
 Silêncio do diretor.
 - Além de tudo isso, vocês já sabem que meu irmão mais velho pediu falência e perdeu todos os seus bens?
 - Não, absolutamente não, senhor! Respondeu o diretor totalmente
 envergonhado com o papelão que fazia….
 - Pois então, concluiu o advogado…
 - SE EU NÃO DOU UM TOSTÃO PARA ELES, POR QUE EU DARIA PARA VOCÊS?

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Tô Bem

Seu Zé, mineirim de Corgo da Mata, pensou bem e decidiu que os ferimentos que sofreu num acidente de trânsito eram sérios o suficiente para levar o dono do outro carro ao tribunal.
 No tribunal, o advogado do réu começou a inquirir seu Zé:
 - O Senhor não disse na hora do acidente ‘Estou ótimo’?
 E seu Zé responde:
 - Bão, vô ti contá o que aconteceu. Eu tinha cabaaaaaaado di colocá minha mula farvorita na caminhonete…
 - Eu não pedi detalhes! – interrompeu o advogado. Só responda à pergunta: O Senhor não disse na cena do acidente: ‘Estou ótimo’?
 - Bão, eu coloquei a mula na caminhonete e tava desceno a rodovia…
 O advogado interrompe novamente e diz:
 - Meritíssimo, estou tentando estabelecer os fatos aqui. Na cena do acidente este homem disse ao patrulheiro rodoviário que estava bem. Agora, várias semanas após o acidente ele está tentando processar meu cliente, e isso é uma fraude. Por favor, poderia dizer a ele que simplesmente responda à pergunta.
 Mas, a essa altura, o Juiz estava muito interessado na resposta de seu Zé e disse ao advogado:
 - Eu gostaria de ouvir o que ele tem a dizer.
 Seu Zé agradeceu ao Juiz e prosseguiu:
 - Como eu tava dizendo, coloquei a mula na caminhonete e tava desceno a BR quando uma picape travessô o sinal vermeio e bateu na minha caminhonete bem du lado. Eu fui lançado fora do carro, prum lado da rodovia e a mula foi lançada pro outro lado. Eu tava muito ferido e não podia me movê. Mais eu podia ouvir a mula zurrano e grunhino e, pelo baruio, percebi que o estado dela era muito feio. Em seguida o patrulheiro rodoviário chegou. Ele ouviu a mula gritano e zurrano e foi até onde ela tava. Depois de dá uma oiada nela, ele pegou o revorve e atirou 3 vez bem no meio dos ôio dela. Depois ele travessô a estrada com a arma na mão, oiô para mim e disse:
 - Sua mula estava muito mal e eu tive que atirar nela. E, como o senhor está se sentindo?
 - Aí eu pensei bem e falei: Tô ótimo!

A mulher e o gorila

Um casal está no zoológico e passa pela jaula do gorila macho.
 A MULHER PERGUNTA AO MARIDO-
 - Raimundo, sabia que os gorilas são os animais mais parecidos com o ser humano relativamente ao seu comportamento?
 Olha só, vou mostrar um seio meu e aposto que vai se excitar como um homem.
 Maria mostra o seio e o gorila começa a ficar excitado e a mover as barras da jaula.
 - Viu? – diz a mulher – os homens são iguaizinhos a eles, não conseguem controlar os seus instintos animais.
 E Raimundo diz-lhe:
 - Agora lhe mostra os dois seios, para ver o que acontece.
 A mulher levanta a blusa e mostra-lhe os dois seios, e o gorila fica ainda mais excitado e desesperado por sair.
 Raimundo diz:
 - Incrível, agora desce as calças e mostra a bunda, só para ver o que acontece!
 A mulher abaixa a calça, e o gorila, completamente excitado, Arrebenta as barras da jaula, sai e agarra a mulher.
 - Raimundo me ajuda! Grita a mulher
 E Raimundo fala:
 - Agora, explica pra ele:
 Que hoje não está com vontade..
 Que está com dor de cabeça…
 Que está cansada…
 Que está com dor de garganta…
 Que trabalhou demais…
 Que tão depressa nãooooo…
 Que te entenda como mulher…
 Que está deprimida…
 Que está menstruada…
 Que está enjoada…
 Que só quer que te abrace…
 Que está nervosa…
 Que tem que acordar muito cedo…
 Que hoje acordou muito cedo…
 Que andou muito hoje…
 Que está super carente e só quer carinho…
 Que está muito tensa e só quer massagens de relaxamento…
 Que está com vontade de ver TV…
 Que não quer perder a novela…
 - Se ele é parecido comigo, ele vai entender.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

O Sininho

Doze candidatos ao sacerdócio estavam para ser ordenados.
 Na prova final deveriam formar uma fila, totalmente despidos, enquanto uma linda bailarina, boazuda e exótica, totalmente nua, realizaria na frente de cada um deles, uma excitante dança oriental.
 No “pirilau” de cada candidato, foi amarrado um sininho e foi alertado que, quem fizesse o sino soar, não seria ordenado padre e estaria reprovado.
 Esse fato demonstraria que ainda não tinha alcançado o estado de pureza espiritual que a função requer.
 A bela dançarina inicia a sua excitante dança na frente do primeiro candidato.
 Ele suportou galhardamente e não teve nenhum tipo de reação.
 A mesma coisa aconteceu com o segundo, o terceiro, o quarto…
 O Bispo estava maravilhado.
 Quando a dançarina chegou ao último candidato, o sininho começou a badalar que nem um alucinado, a ponto de se soltar do “pirilau” e cair no chão.
 O candidato a padre, totalmente envergonhado inclinou-se para pegar o sininho e…
 Todos os outros sininhos começaram a tocar!

Não é uma arara !


Celtic Woman - Shenandoah-Reels


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Falando com os Animais

Um dia, enquanto galopava, um Bom Homem encontrou um índio cavalgando.
 Ao seu lado iam um cachorro e uma cabrita.
 O Bom Homem começou então um diálogo com o índio:
 - Olá, belo cão você tem aí. Importa-se se eu falar com ele?
 Índio: – Cão não falar.
 - Olá cão, como vai?
 Cão: – Bem obrigado!
 O índio FICA absolutamente chocado… E o Bom Homem continua…
 - Esse cara é o seu dono?
 Cão: – Sim!
 - E como ele te trata?
 Cão: – Muito bem. Todo dia ele me deixa correr livremente, me dá uma boa semana…
 O índio FICA totalmente boquiaberto..
 O Bom Homem então diz:
 - Se importa se eu falar com seu cavalo?
 Índio: – Cavalo não falar.
 - Oi cavalo, como vai você?
 Cavalo: – Muito bem!
 - Esse aí é o seu dono?
 Cavalo:
 - Sim…
 Homem: – E como ele te trata?
 Cavalo: – Muitíssimo bem. Cavalgamos regularmente, ele me escova sempre e me mantém sob uma árvore para me proteger da chuva e do Sol.
 O índio FICA simplesmente abobalhado…
 E o Bom Homem continua…
 - Se importa se eu falar com sua cabrita?
 Índio: – Melhor não… Cabrita muito mentirosa!

A crua Realidade !

Já aconteceu de você, ao olhar pessoas da sua idade, pensar: não posso estar assim tão velho(a)?
 Veja o que conta uma amiga:
 - Estava sentada na sala de espera para a minha primeira consulta com um novo dentista, quando observei seu diploma pendurado na parede.
 Estava escrito o seu nome e, de repente, recordei de um moreno alto, que tinha esse mesmo nome. Era da minha classe do colegial, uns 30 anos atrás, e eu me perguntava: poderia ser o mesmo rapaz por quem eu tinha me apaixonado à época?
 Quando entrei na sala de atendimento, imediatamente afastei esse pensamento do meu espírito. Esse homem grisalho, quase calvo, gordo, com um rosto marcado, profundamente enrugado, era demasiadamente velho pra ter sido o meu amor secreto.
 Depois que ele examinou meus dentes, perguntei-lhe se ele estudou no Colégio Sacré Coeur.
 - Sim, respondeu-me.
 - Quando se formou? perguntei.
 - 1965. Por que esta pergunta?
 - É que… bem… você era da minha classe, eu exclamei.
 E então esse velho horrível, cretino, careca, barrigudo, flácido, filho de uma puta, lazarento, esclerosado, me perguntou:
 - A senhora era professora de quê?